Água corrente

A gata quer água corrente. Sequer olha para sua tigelinha sempre cheia de água fresca. Vai ao tanque. Discreta? Jamais. Miados e miados depois, seu escravo, aquele humano que cuida dela, aparece para ver do que se trata. A cena é autoexplicativa. Explícita. “Abra a porra da torneira e saia daqui”. Resta apenas uma dúvida: satisfaço este desejo e foda-se o planeta ou deixa-a lá, regurgitando no chão, temendo sua morte lenta e dramática por sede e inanição.

Nem hesito: foda-se o planeta.

São Paulo, 01 de novembro de 2015