Sobre a foto do menino morto

Normalmente, ignora-se as capas da Veja e tudo bem.
Revistinha de merda é revistinha de merda.
Toca o barco.

Soube da foto da criança morta.
Até parei de ler alguns feeds para evitar o desgosto de ver a cena.
Fui ajudado pelos amigos, que não compartilharam aquilo.
É a vida real? Claro.
Não devemos fugir da realidade? Jamais.
Mas esse tipo de imagem mata-me aos poucos.
Prefiro evitar.

Eis que a maldita revista coloca a foto em sua capa.
Espalha essa porra pela cidade.

Não pude evitar.
Morro aos poucos.

São Paulo, 5 de setembro de 2015