Água corrente

A gata quer água corrente. Sequer olha para sua tigelinha sempre cheia de água fresca. Vai ao tanque. Discreta? Jamais. Miados e miados depois, seu escravo, aquele humano que cuida dela, aparece para ver do que se trata. A cena é autoexplicativa. Explícita. “Abra a porra da torneira e saia daqui”. Resta apenas uma dúvida: satisfaço este desejo e foda-se o planeta ou deixo-a lá, regurgitando no chão, temendo sua morte lenta e dramática por sede e inanição.

Nem hesito: foda-se o planeta.

São Paulo, 01 de novembro de 2015

Carta de divórcio (ao cigarro, é claro)

Prezado cigarro,

Enquanto dou o derradeiro trago – imaginário, pois você não está mais aqui – inicio esta missiva. Olho para o chão e observo: última bituca (talvez penúltima). Encarando-me com olhos não de presente, mas passado. Acabou comigo e meu ego. Deixe o ponto final para mim. Suplico.

Ciente da minha incapacidade de resistir, optei pelo mais drástico. O fim registrado, em cartório. Extrajudicialmente notifico-te, meu pedido de divórcio. (Ir)revogável.

Depois de tanta fumaça, conversas intermináveis e trovões, os amarelos dentes da primavera viraram, do avesso. E a brisa boa, antes tesão, agora é engasgo. Desce ruim.

Tentei parar, mas nem a pinga, nossa companheira de prosa e tédio, deu conta da ausência. Ter-te em minha boca era consolo de tudo. De todos.

Teu tabaco, ali, com tantas outras substâncias químicas, ludibriava-me. E nem a massiva advertência, no teu rótulo, alertando-me da finitude, impediu-me de tragar-te até o fim. De mim.

Teu cheiro então, é foda. Não sai das mãos. Do corpo. Das roupas. Não tem banho que tire. E sei, por outros vícios, que cheiro fica. Impregna. Fecho os olhos, respiro fundo e bingo. Sinto.

Disseram-me na sarjeta para substituir um vício por outro. Ocupar aquele espaço, vazio. Relutei, confesso. Mas tem jeito? Morro aos poucos por ti e à partir de amanhã, caso aceite esse divórcio sem litígio, partirei, em busca de novos delírios.

São Paulo, 19 de setembro de 2015

Sobre a foto do menino morto

Normalmente, ignora-se as capas da Veja e tudo bem.
Revistinha de merda é revistinha de merda.
Toca o barco.

Soube da foto da criança morta.
Até parei de ler alguns feeds para evitar o desgosto de ver a cena.
Fui ajudado pelos amigos, que não compartilharam aquilo.
É a vida real? Claro.
Não devemos fugir da realidade? Jamais.
Mas esse tipo de imagem mata-me aos poucos.
Prefiro evitar.

Eis que a maldita revista coloca a foto em sua capa.
Espalha essa porra pela cidade.

Não pude evitar.
Morro aos poucos.

São Paulo, 5 de setembro de 2015