palmas

arte de bater palma
m                 r
l                 t
a                 e
p
                  d
r                 e
e
t      sem        b
a      emitir     a
b         som     t
                  e
e                 r
d
                  p
e                 a
t                 l
r                 m
amlap retab ed etra

repulsômetro

       l         suor
       á           peido
s   p cgr           pêlos
u  ci orecb       chu
op ho cimaap     piolho
repulsômetro        sangue
 iêlha alaar     cocô
 dléon  artr  lágrima
 oo ag   raa     remela
  s  u   o !      catarro
     e            barata
                   porra!

o medo de pronunciar palavras

o medo de pronunciar palavras

anticonstitucionalissimamente
procrastinação papibaquígrafo
subjetividade a promiscuidade
interpessoal uma cumplicidade
resiliência nutre ambigüidade
pragmático empatia ostentação
concessão ignorante altruísta
paradoxo contundente stalkear
escroto discernimento sucesso
cínico idiossincrático clichê
porra intertextualidade tênue
peço indiscriminadamente amor
chato pseudointelectual blasé
cético simultaneamente insano
lobista indissociável coxinha
metódico prepotência monótono
subjetivo assexuado promíscuo
iniquidade baralho sarcástico
egocêntrico entre subseqüente
libertinagem que malemolência
reciprocidade o empoderamento
personificação pistantrofobia
hipopotomonstrosecomalhofobia

Crônica de um nerd procrastinador

Ligo o computador para montar a prova do bimestre.
Nossa! Esta Área de Trabalho está muito bagunçada, arrumarei.
Péraí, ainda não fiz o backup da semana, farei agora.
Oxe… Que lenta a transmissão de arquivos, deixa eu fazer uma varredura.
Vixe, o HD está todo desfragmentado, melhor formatar.
Putz, posso aproveitar e já colocar um dual boot, né?

7 horas depois: caralho!
Meia noite e ainda não fiz a prova…

não

do meio do termo
da ponderação
a letra pequena
falta de ação
o povo rebelde
sem disposição
a falta de ânimo
da dicotomia
do sim e do não
o som da panela
à um lado só
que bate, se bate
por condenação
se pensa (não pensa)
é reprodução
da fala dos outros
sem a reflexão

vou para a guerra
da educação
mostrar pra galera
que repetição
de tempos outrora
já diz a história
só dá repressão!

não renda, aprenda!
parar pra pensar
é o necessário
olhar ao redor
os interesseiros
desejam apenas
o mesmo de sempre
o poder por poder

se for necessário
irei para frente
e nós em uníssono
faremos ouvir
em grito ardente:
não!

8 de março

acordou cedo e parabenizou as filhas
mas diz haver brincadeiras de menina e brincadeiras de menino

à esposa, deu um lindo vaso de flores
mas lembrou-a: amizade só com mulher, nada de homens

levou chocolate às colegas de trabalho
mas a presidenta: chama de vagabunda

da garçonete beijou a mão, abriu-lhe a porta, um cavalheiro
mas na esquina: gritou “gostosa” à primeira que viu

ligou para a mãe, sagrada, e agradeceu a criação
mas em casa: não lava, não passa e nunca limpou uma privada na vida

de noite, ajoelhou-se, arrependido
pobre homem
sempre ele
só queria passar a mão
com todo o respeito
só que não

juntos

isto é uma foto
impossível
não posso fazer
não posso negar
mas gravei, na mente

dormiu em meu peito
virou-me do avesso

o cigarro acendi
ventilador assoprou
fumaça
em você
percebi-te com frio
desliguei

e vi
teu sono pesado
foi terno

respiras
inspiro

momento eterno
ao te observar
não posso provar
brilhou-me o olhar

ah, e por fim
suei
ventilador religuei
no mínimo
o máximo pra você
o mínimo pra mim

o sono dos justos
juntos
tivemos, temos, teremos