sete porradas em nossas fuças

oitenta tiros.
oitenta tiros de fuzil.
oitenta tiros de fuzil disparados em uma família.
negra.
oitenta tiros de fuzil disparados em uma família negra.
atrapalhando o tráfego.
e o mundo segue.
vida que segue.
nada acontece.

homenagens à tortura.
homenagens à tortura escancaradas.
no congresso.
homenagens à tortura escancaradas no congresso nacional.
em rede nacional.
e o escambau.

violência.
violência física, histórica e moral.
perpetuando discriminação, morte e tristeza.
dia a dia.
cotidianamente.

escravidão moderna.
em dois mil e dezenove, que seríamos…
sei lá…
evoluídos?
pessoas são escravizadas diariamente.
oficialmente.
quem se importa realmente?

estupro.
um estupro a cada 11 minutos.
11 minutos e lá vem: outro estupro.
corpos invadidos à contra gosto.
e o gosto amargo de sangue, permanece, na boca.
não há tamanho abuso.
é insano, perverso e covarde.

destruição da terra.
não há palavra que não seja destruição,
pra descrever o que fazemos,
com a terra.
o firmamento da nossa existência sofre.
com fumaças, detritos e mutilações.
sem pestanejar,
nos tiraremos chão, literalmente.
cairemos.

inércia.
uma inércia antropofágica nos impera.
e inertes que portanto somos, seguimos, a boiada.
em direção do eterno abismo,
precipício.

[/fim das sete porradas em nossas fuças.]

Feijoada

-Mulher, trouxe uma calabresa pra pôr no feijão da janta.
-Que bom, mas esse fradinho aí não engrossa o caldo. Tem outro?
-Deixa eu ver… Tem um resto de feijão preto, pode ser?
-Sim. Já aproveita e faz uma farofa.
-Fechou.

Corta pra nove da noite e a gente batendo um prato de feijoada.

Pelo menos era quarta-feira.

adágio

muito ajuda o que não atrapalha
antes um na mão que dois voando
quem não envolve não desenvolve
a pressa é inimiga da perfeição
antes só do que mal acompanhado
deus só ajuda quem cedo madruga
escreve certo por linhas tortas
quem não tem cão, caça com gato
dois coelhos em uma cajadada só
dei a mão, quer o braço inteiro
nunca julgue um livro pela capa

Crônica de uma cagada

Vivi até os 28 anos sem ter costume com elevador. Frequentava alguns, raramente, numa vida comercial. Às vezes em hotéis. No shopping. Na casa de parentes, amigos e tals.

Contato mesmo, no dia a dia, não tinha.

Agora tenho.

O prédio em que moro tem elevador e é frequente encontrar vizinhos saindo ou chegando de casa.

Vida diária, complexa e corrida. Classe média sofre.

Outro dia o vizinho do quarto andar subiu comigo. Limitei-me ao “boa noite” padrão, fruto de uma educação ocidental. Mas meu sorriso amarelo escondia uma vontade inenarrável de cagar.

Desculpe se o termo “cagar” soa grosseiro. Não conheço-o de outra forma. Entendo os falantes, mas tenho minha própria gramática.

E o anjo, ao entrar no recinto, fez o favor de esbarrar com a mochila, sem querer, no painel. E apertou todos os andares de 1º a 6º.

E eu, com uma vontade do caralho de cagar.

Daquelas de já atravessar a portaria com respiração contida. Andando como se estivesse numa passarela, fechando as pernas regularmente para evitar acidentes envolvendo cocô escorrendo pela perna.

AÍ,

O GRANDISSÍSSIMO

FILHO DA PUTA

APERTOU NA PORRA DE 6 NÚMEROS DIFERENTES

ME OBRIGANDO A SEGURAR O JATO DE MERDA QUE CONTINHA EM MIM.

DIFUDÊ.

Enfim. Vida que segue.

Fui abençoado e ao vaso sanitário cheguei há tempo.

¿Já agradeci hoje Duchamp pelo necessário enaltecimento do vaso sanitário?

meu reveillon

você é meu reveillon.
toda noite somos súditos,
das mais incríveis festas.
sejamos muitos,
ou apenas nós.

apenas não.

nós.

Sobre o otimismo e as comparações inevitáveis

Em 1989, Enéas Carneiro foi candidato à presidência, tendo 360.561 votos, 0,53% do total, 12º colocado.

Em 1994, teve 4.671.457 (sim, quatro milhões, seiscentos e setenta e um mil, quatrocentos e cinquenta e sete fucking votos), 7,38% dos votos válidos, sendo o 3º colocado.

Em 1998, teve 1.447.090, contabilizou 2,14% dos votos válidos, 4º colocado.

Em 2000 tentou ser prefeito de São Paulo (quem nunca?) e 2002 elegeu-se deputado federal com maior votação da história para o cargo, ainda hoje não superada. Foram 1.573.112 votos. Reelegeu-se em 2006 e morreu em 2007.

Aí vem a comparação prometida no título: sempre tivemos – e provavelmente continuaremos a ter – candidatos extremistas, barulhentos e com algum apelo popular. Servem de piada à plateia e de ração aos raivosos (racistas, machistas, homofóbicos e criminosos no geral).

Só que lá no fundo, bem no fundo, na contagem dos votos, a perversidade permanece exceção e, parasita que é, à espreita da ignorância alheia.

E cabe também à nós (alô, professores) não permitir que a ignorância se propague e incentivar o pensamento crítico, qualificado, plural e democrático.

É, como dizem, trabalho de formiguinha. Otimismo ingênuo, talvez.

Mas ser otimista a luz da realidade é quase um ato revolucionário.

E necessário.

[Sonho de sábado para domingo]

PSOL, PCdoB, PDT, Rede e PSB, cada um com suas contradições, sentam em uma mesa pra gestar uma candidatura única. Melhor ainda se já lançassem uma lista aberta de candidatos aos legislativos e governadores, sem pudores. O PT pode estar na mesa, nada contra, tenho até amigos que são mas cada um no seu quadrado. Se não acharmos um “centrão” pra chamar de nosso, esses 5% jamais serão 25%. A realidade dói, mas precisa ser compreendida: poder tem tamanho e tempo de TV, não há outro caminho. É o que tem pra hoje. Mas essa mesa tinha que estar rolando tipo agora, em algum buteco desse país. Porque assuntos sérios são resolvidos em butecos, todos sabem. Assim evitaríamos possibilidades tristes, mas prováveis, de um segundo turno aterrorizador. Absolutamente aterrorizador.

Cruzes!

[/fim de sonho de sábado para domingo]

Sobre autoria e compartilhamento

Debate sério.

Quer dizer, nem tanto. É supérfluo até, mas enfim. Quero conversar.

E não, não é indireta pra ninguém. Me respeita.

Premissa: adoro textão. De verdade, se não for pra ler textão nem pago a internet. Gosto mesmo, leio mesmo, curto mesmo e compartilho mesmo. Se tiver “ver mais” eu clico e “continuar lendo” clico de novo.

E quando leio um texto, imagino a fala e o os trejeitos da pessoa que o escreveu. Poderia ser vício de professor, sempre atento aos trabalhos de alunos e alunas que às vezes copiam e colam no mais pleno descaramento. Mas não é o caso, já que essa “voz do autor” também se manifesta ao ler autores mais consagrados e que não conheço pessoalmente, nunca vi e muito menos ouvi. Enfim. É simplesmente ler sabendo quem escreveu.

E ciente de ser absolutamente igual a qualquer outra pessoa, acredito que todo mundo ouça as vozes. Então minha reclamação encontrará eco e talvez torne-se pontapé de uma revolução maior, quiçá gatilho para a tomada de Brasília e implantação do comunismo. ☭

Aos fatos: Mariazinha escreve as coisa. Nóis lê. Fica empolgado. Qué abraçá. Qué chorá junto. Tomá uns goró junto. Lê GRITANDO A PORRA TODA. Quase clica no botão compartilhar. Botão curtir. Botão amei. Botão hahaha. Botão glorificar de pé.

E, no final: “Ass. Joãozinho”.

Ué.

¿Não foi a Mariazinha que escreveu? Quem é esse Joãozinho? Onde vive? Como sobrevive? Do que se alimenta?

¿Não podia avisar antes? Apresentar? Pôr aspas? Dois pontos? Marcar no começo? Compartilhar o post original? Assim, sem preliminares? Nada? Nada? NADA!?!?!?

Não é plágio, ok. Os créditos estão ali, ok. Mas poxa, gente. Não dá. É tipo esse ponto de interrogação invertido que tô usando no texto. ¿Ajuda, né? Quem inventou manja dos paranauê. Eu sei que cada um escreve o que quiser na sua própria página e blá blá blá. Mas assuntos sérios como esse precisam ser expostos.

É isso.

Chega! Basta! Muda, Brasil!

Ass. Clarice Lispector

Crônica de uma prisão

Sábado, 7 de abril de 2018, estávamos a mulher e eu a caminho de um buteco qualquer para afogar as mágoas, quando no semáforo encostou um fiat uno ao lado. O motorista, um senhor de olhos marejados, disse:
– Moço, posso te fazer uma pergunta?
– Claro – respondi pensando tratar-se de alguma dúvida de percurso.
– Você é PT!?

Com o nível da polarização atual, confesso ter hesitado por um instante, poderia ser só mais um maluco. Mas naquele dia triste, foi a mesma polarização que forçou-me um posicionamento, mesmo que exagerado:
– Sim, sou PT! – a frase saiu quase que num grito.
Não satisfeito, esticou o pescoço e perguntou pra mulher:
– E você, é PT?
– Sou sim, com certeza.
Ele sorriu.
Um sorriso de alívio, talvez.
O semáforo já estava verde quando seguimos para lados opostos.
Lados opostos?

xadrez

o xadrez é um jogo impressionante,
revela tanto do nada que somos.

os tabuleiros aí,
às vistas.

nada sabemos,
nada vemos,
incautos.

felizes são os jogadores.

Sobre a preguiça e preocupações imbecis

Quem conhece minha casa sabe que tenho alguns livros. Quando mudei, os que se empilhavam no quarto da casa dos meus pais tiveram um respiro e passaram a habitar também uma sala, um avanço. Aliás, nas mesmas estantes e prateleiras, que trouxe comigo.

No primeiro dia de casa nova, a principal aflição não foi a cozinha sem armário, nem a sala sem sofá e muito menos o colchão no chão, sem cama.

A maior aflição foi olhar os livros desorganizados. Seria impossível uma mudança mantendo a ordem deles nas prateleiras. De modo que a lista de tarefas tinha como item inicial “organizar os livros”.

Porque aquele labirinto de lombadas, numa ordem quase orgânica, mas muito minha, era importante pra mim. Uma espécie de setorização da minha vida. Ou, ao menos, dos meus interesses.

São muitas fases e todas acompanhadas de livros. Quando estou na metade deles, já surge outro tema e mergulho novamente, abandonando – as vezes apenas deixando para depois – o tema anterior. Vêm novas caças nos sebos, outras visitas às livrarias e as trocas (tinha um site ótimo pra isso, preciso revisitar).

É como a analogia do pato…

(Não voam bem, mas voam. Não nadam bem, mas nadam. Não andam bem, mas andam. No fim, não fazem porra nenhuma bem, já que fazem um pouco de tudo.)

…só que com interesses. Teve a fase da ficção científica, do jornalismo, história, poesia, fotografia, monogamia, crítica de arte, programação, ocultismo (sim), biografias, gastronomia, educação, política, filosofia… Acho que deu pra entender.

Daí que sou um verdadeiro pato. Pato vermelho, por favor. Mas pato. Não me especializo em nada (bye bye mestrado), mas a variedade tem suas vantagens. Tô feliz e tals, não reclamo não.

Caralho. Pra variar desviei do assunto.

Enfim… Na verdade só queria escrever que fará dois anos da mudança (daqui a pouco vem outra), tenho cama, sofá e até armário na cozinha.

Mas nunca organizei os livros. Acho que até acostumei com eles assim. Ou não.

Tá uma zona.

Outro dia achei um Freud grudado no Paulo Coelho. Um São Cipriano roçando o Hobsbawn. Clarice atracada com Asimov. E, pasmem, um Proudhon colado no Marx.

Heresia pura. Um horror.

Mas prometo: na próxima mudança arrumo tudo. Os invejosos dirão que a preguiça sempre vencerá.

E estarão certos. A preguiça sempre vence.

Comédia da classe média 01

“Fulana é maravilhosa, super caprichosa. Mas está cobrando 300 reais pela diária! Fiz as contas, se ela fizer 20 diárias no mês ela vai tirar 6 mil! É mais do que eu ganho! Aí já é demais!!!!!!!11”

“Quanto você cobraria pra limpar a privada alheia?”

“Ãhn!?”

“Oferta e demanda, fia. Joga no Google…”

“…Ah, e me passa o telefone da Fulana.”

Crônica de um cancelamento

“Bem-vindo ao Serviço de Atendimento Folha de S.Paulo. Em que posso lhe auxiliar?”, escreveu Amanda, às 15h33min, assim que ingressei ao chat.

“Gostaria de cancelar minha assinatura, Amanda, por favor”. Pensei que sendo direto e conciso, talvez, em algum universo paralelo, evitasse o inevitável: as propostas.

“Boa tarde. Por gentileza, peço que aguarde um instante enquanto localizo sua assinatura”. Pronto, começou. Vai lá, querida. Procura minha assinatura no armário. Deve ser uma gaveta chamada clientes digitais. Tudo datilografado. Com firma reconhecida em cartório.

“Aguardando”, digo. Aprendi que nesses chats o melhor é sempre dar a última palavra. Deixar a conversa sempre ativa. Qualquer distração vira inatividade que vira perca de conexão.

“Por qual motivo deseja cancelar sua assinatura, Sr. Raphael?”

“Só assinei para ler as matérias online sem limites, mas descobri que assinantes UOL também possuem este acesso. E como já assino o UOL, posso cancelar a Folha sem perder nada”. De novo, a prepotência bateu e tive certeza que expressei-me tão diretamente que jamais abriria brecha para tentativas de convencimento.

Ledo engano.

“Compreendo, Sr. Raphael. No entanto, apenas assinantes Folha tem acesso ao jornal digitalizado”.

Ahã, dona Amanda. Super quero acessar a as páginas do jornal impresso dentro de um flash player (!?) xexelento, deliciando-me com estonteantes cliques e muito zoom! Seria um sonho!?

Mal comecei a digitar uma resposta mais polida (que o desabafo acima) e mais uma mensagem padrão deu as caras:

“Como forma de incentivo à sua permanência, gostaríamos de reduzir o valor das próximas seis parcelas do plano digital para apenas R$19,90 por cada uma delas. O que acha da proposta?”

“Realmente não tenho interesse, Amanda. Obrigado. Peço que proceda com o cancelamento.”

E o CTRL+C CRTL+V mais rápido do oeste apresentou-se novamente:

“E se fizermos melhor, Sr. Raphael?”

Sério?

“Podemos reduzir o valor das próximas parcelas do plano digital para apenas R$17,30, um investimento menor que R$0,60 por dia. Este valor especial não pesará em seu orçamento e tenho a plena convicção de que seu hábito de leitura irá aumentar ao ponto da Folha se tornar sua principal fonte de informação.”

Sugerir a Folha como principal fonte de informação só confirmou a vontade de cancelamento. Cruzes! Se soubessem que às vezes leio as notícias com o nariz tapado…

“Não, obrigado. :)”

Confesso que o emoji de sorriso não foi exatamente sincero. Dez minutos perdidos nessa porra de chat.

“Entendemos, mas antes de prosseguir…”

PUTA

QUE

O

PARIU.

“…com o cancelamento, gostaríamos de fazer uma oferta irrecusável. Podemos, nos próximos seis meses, reduzir o valor da sua assinatura digital para R$9,90. Ou seja, investirá apenas este valor simbólico e poderá fazer alterações em sua assinatura, pois nossos planos não possuem fidelidade. Fique conosco!”

“Caramba! Vou começar a pedir mais cancelamentos”.

Obviamente, ela não respondeu o comentário.

“Enfim, não aceito a proposta. Cancele, por favor.”

“Compreendo e respeito sua decisão [que anja! respeitando minha decisão!]. Um momento, por gentileza, enquanto cancelo.”

“Aguardo”, agora já esperando o sistema cair ou a conexão falar. Cruzei os dedos. As pernas. E os braços.

Essa mulher não digitou uma palavra sequer a conversa inteira. Tudo CTRL+C CRTL+V. Antes fosse um robô mesmo, assim não constrangeria meu xingamento.

“Lamentamos, sinceramente, por sua decisão, mas a entendemos e respeitamos. Já efetuei o cancelamento e seus acessos permanecerão disponíveis até 09/01, por conta do seu último pagamento.”

\o/ \o/ GLÓRIA GLÓRIA ALELUIA SENHOR MEU DEUS QUE ALEGRIA QUE FELICIDADE TÔ LIVRE PARA VIVER FORA TEMER \o/ \o/