#PrecisamosFalarSobrePodcasts

Sou ouvinte de podcasts há bastante tempo. Acho que os primeiros que ouvi foram o Semana Tech e o Guanabara.Info, que nem existem mais. Cheguei a ter o meu próprio (Negação Lógica, falávamos de política, e fico constrangido, hoje, ao constatar como éramos fracos) que precisamos matar por conflitos de tempo/agenda.

Enfim, percebi ter vários amigos aqui nessa internet sem sequer saber o que é podcast e, portanto, é minha obrigação apresentar. Porque assim, sério, você precisa conhecer. Tem uma porrada de conteúdo bom, do seu interesse, que você está perdendo. E não é esse monte de ruído da internet. Nem vai gastar seu tempo, você pode conciliar com um passeio de bicicleta, uma ida à academia, em trajetos casa/trabalho/qualquer lugar, dentro do carro ou no busão/metrô com fone de ouvido. É tipo ouvir música ou rádio. Só que mais legal. Ou não.

Mas tio, o que é podcast? É um programa, em áudio. Você assina e recebe sempre que um episódio novo é lançado. Já foi mais difícil ter acesso à eles. Hoje, em tempos de smartphones sempre conectados, basta instalar um aplicativo de sua preferência (tem pra Android, iPhone, Windows Phone, qualquer um), procurar pelos programas que te interessam e clicar no botão de assinar. Você pode configurar, é claro, para receber um aviso quando saírem episódios novos e baixar apenas se o tema te interessar.

Eu assino uma caralhada de programas, mas vou indicar só uns 10 por motivos de: já virou textão. Eis eles.

O Norte: como se já não bastassem os excelentes textos do Oene, os caras resolveram fazer um podcast direto do norte (da América) discutindo diversos assuntos e colocando em perspectiva as realidades do Brasil e dos Estados Unidos.

AntiCast: um dos meus preferidos, era para ser um podcast com a visão dos designers sobre o mundo, mas é muito mais do que isso. Com uma dose certa de seriedade e bom humor, arte, cultura, filosofia e temas como estes estão sempre em pauta.

A Voz de Delirium: entre os podcasts brasileiros, o formato storytelling ainda é raridade. Esse é uma dessas raridades. É um programa de rádio simulado de uma cidade fictícia chamada Deliruim, onde as coisas mais estranhas acontecem.

BrainCast: dessa minha lista, acho que é o mais antigo e “tradicional”. É tocado por um pessoal que domina muito bem os assuntos do momento. Criatividade, comunicação, entretenimento e internet são palavras que estão em uma boa descrição do que eles fazem.

Cine Masmorra: muita reflexão e diversão para quem gosta de cinema independente. Já descobri muitos filmes incríveis com as dicas deles.

Cinema em Cena: mais um podcast de cinema. Sem demérito. É um dos melhores. Têm séries de programas que destrincham obras de vários ótimos diretores como Lars von Trier, William Friedkin, Hayao Miyazaki, Copola, Andrei Tarkovsky e vários outros. Além dos episódios regulares que sempre discutem bons filmes.

Escriba Café: ninguém falava em storytelling no Brasil e o Escriba Cafe já produzia episódios inacreditáveis de tão bem feitos. Tenho medo de não saber descrever bem do que se trata. Simplesmente ouça.

Fronteiras da Ciência: físicos, biólogos, professores e os mais qualificados convidados da UFRGS tentam trazer os temas complexos da ciência para um vocabulário que nós leigos entendamos. No que se refere à divulgação científica, não conheço nada tão bom entre os podcasts brasileiros.

Guia Prático: tecnologia e informática, a versão em áudio do blog Manual de Usuário.

Isso é muito Tarantino: programa bem interessante. Um bate papo entre amigos em trajetos de um lugar para outro, em mesas de bares/ restaurantes, ou qualquer lugar desses em que conversamos com nossos amigos. Os papos são divertidos e o fato de não ter muita edição, ser uma conversa mais “crua” deixa a coisa bem bacana.

Mamilos: de longe, a mais feliz surpresa de 2015. Os assuntos mais polêmicos discutidos pelas ponderadas Cris Bartes e Juliana Wallauer em uma mesa cheia de amor e discordâncias. O que elas fazem é inédito. Nos faz pensar sobre tudo, nos colocando no nosso lugar e no lugar do coleguinha.

Não Obstante: esse é hard. Discussões filosóficas e acadêmicas principalmente para quem (mas não só) se interessa por arte e design.

Papo de Fotógrafo: excelente bate papo sobre fotografia, várias vezes com convidados especialistas.

Revista Piauí: pequenas pílulas em áudio sobre alguns artigos ou poemas da revista piauí.

Um Milkshake Chamado Wanda: conheci ontem. Ainda não entendi o nome, mas entenderei. Trata-se de um bate papo descontraído sobre vários assuntos da cultura pop. Fazia tempo que não ria tanto ouvindo um podcast.

We Can Cast It!: este anda em hiato, não sei quando volta, mas copiando a descrição do próprio site delas, “é um podcast feminista sobre cultura pop, livros, filmes, quadrinhos, polêmicas e tudo o mais que couber em 30 minutos”. Bom para ajudar as minas no empoderamento de cada dia e colocar a gente no nosso cantinho da disciplina.

—-

É sério, dê uma chance para os podcasts. Se tiver dificuldade, me dá um toque, eu te ajudo.

E se você já sabe o que é, já ouve, conhece bem mais do que eu, melhor ainda! Aproveite para indicar aí na sua ~rede social~ seus programas favoritos.

É isso.

efeito natural

efeito natural

atentos

atentos

nuvens

nuvens

alone

alone

abu

nos dizia
em pêsames
que morte boa
não havia

fadados estávamos
ao leito (relento)
canos nas narinas
aparelhos de sobrevida
sofrimento

mas ele
o próprio
ao morrer
nos provoca
numa ironia atroz
certeira:

morre dormindo
em paz

90

90

para ti

para-ti

trago

trago

catarse

catarse